A morte dos Ídolos - Liga da Justiça Zack Snyder Review e Reflexões

ATENÇÃO- Possuí revelações de enredo de Liga da Justiça - Versão de Diretor Zack Snyder e da Graphic Novel "Reino do Amanhã".


Zack Snyder em entrevista aponta o quanto considera os heróis dos quadrinhos os deuses da era moderna.


Isso se pronuncia fortemente nas opções de sua história para o filme da liga da justiça. O filme trabalha fortemente com herança e cenas grandiosas dos heróis. Há uma idéia nele de retorno a valores supostamente esquecidos hoje.


Ilustrado pelos vilões que ao início do filme realizam um ataque como revolta à "era moderna", ou ao apelo de mulher maravilha que "a era dos heróis retorne". O filme ainda reforça isto, denominando nossa sociedade como separada, e decorrente disso, frágil.


Os heróis quanto ao dilema ponderam questões vinculadas à sua herança e posicionamento no mundo. Cyborg e sua família, Aquaman e seu nomadismo entre povos. Flash e seu pai. Personagens que para construírem a si re-valorizam seu posicionamento diante desse passado.


Ainda, liga da justiça representa mais do que nunca um espelho de nossa era. Mesmo sendo a versão mais "otimista" da trilogia, a possibilidade de extermínio do futuro segue viva. A história deposita a conquista de seus personagens muito mais em seus feitos de poder após seus conflitos, do que nos valores que carregam.


A presença desse cinismo não é nova - porém segue sendo interessante questionar os efeitos dele não só no filme mas em nossa produção de sujeitos na sociedade.


O filósofo Peter Pál Palpert aponta o quanto o imaginário presente em nossa sociedade atual - a noção de martírio constante, endividamento e crises econômicas eternas - leva a um empobrecimento dos relacionamentos. Pessoas abaladas pelo nilismo, pela falta de sentido na vida.


Esse mesmo dilema aparece na graphic novel da DC "reino do amanhã". Com a modernidade heróis que não seguem um código de moral e ética surgem, tornando os antigos símbolos (Batman, Superman) como pueris, ingênuos. Superman na história se isola primordialmente não guiado pela perda de seu amor - Lois Lane - mas pelas idéias que acredita e defende.


O retorno de Superman em reino do amanhã representa mais que seu poder, representa sua proposta e perseverança de como se relacionar em sociedade.

Essa história foi muito significativa pois os anos 90 foram povoados de uma contra-resposta violenta tanto nos quadrinhos quanto nos filmes a esse tipo de história, privilegiando a ação e a violência como espetáculo. Verdadeiros agentes de aniquilação do que era compreendido como social e culturalmente "feio".


Embora com cenas grandiosas, a expressão do poder de Superman no filme fica destacada em sua capacidade de violência, não em sua ideologia. O deslumbre se torna menos na conquista ou pensamento dos heróis, e mais na sua capacidade de promover violência, de obliterar o inimigo.


O problema do anti-heroi - e o crescimento dele como modelo - é o problema de uma sociedade doente, desesperançosa em qualquer proposta ou modelo de futuro.


Caso tivesse sido um pouco mais propositivo seria mais que um grande filme espetáculo, mas uma grande obra de reflexão. No entanto ao fim prepondera uma proposta de retorno de modelos (só que com uma pequena substituição dos modelos gregos pelos ideais dos quadrinhos) à construção de novos.


Referências do texto:


Entrevista de Zack Snyder no Omelete e sua menção à mitologia dos herois - https://www.youtube.com/watch?v=Ilw1XnrnVX8


O Avesso do Nilismo - Cartografias da subjetividade. Peter Pál Pelbart


Flavio Natal




8 visualizações0 comentário