"Pau que nasce torto não se endireita" Imaginário masculino e o mito da infabilidade.


"Pau que nasce torto nunca se endireita" essa frase da sabedoria popular utilizada nos círculos masculinos é uma pista para pensarmos como a falha e o "torto" é tratado em nossa cultura.


A compreensão ainda vigente que o homem é "provedor", a fortaleza e sustentáculo infalível é prejudicial não só na construção de relações saudáveis, como fatal para sí mesmo.


Um relatório da OMS compreendido até 2016 aponta que o índice de suicídio entre homens não só representam 76% dos suicídios do Brasil, como vem apresentando crescimento em relação aos outros continentes.


O mito de infabilidade é tão encrostado no imaginário masculino que a falha é vista como inaceitável, o choro como fraqueza e a diferença como razão de deboche. O "pau torto" se torna uma marca inescapável.


Jacques Fux em "Brochadas" nós apresenta outra possibilidade, em que cada brochada não é marca do desastre, mas com o humor forma de se reinventar com o outro. Talvez essa seja uma pista pra tornar nosso torto em uma razão de força e alegria!


Flavio Natal - Psicólogo.


Referências:


www.gazetadopovo.com.br/viver-bem/saude-e-bem-estar/homens-representam-76-dos-suicidas-do-brasil-revela-relatorio-da-oms/


Brochadas: confissões sexuais de um jovem escritor - Jacques Fux


8 visualizações0 comentário